Crush em Hi-Fi

Música, trilha sonora, CDs, discos, DVDs, mp3, wmas, flac, clipes, ruídos, barulho, sonzera ou como quer que você queira chamar.

Arquivo para a tag “Blues”

Moriaty, o duo de Devon que se inspira em Sherlock Holmes, serial killers e teoria de cordas para criar seu “filthy indie blues”

10600457_676693465758484_9222723514705792163_n

“Eu vou quebrar você, Holmes. Eu vou trazer para bem debaixo do seu nariz o mais incrível crime do século, e você nunca vai suspeitar até que seja tarde demais. Esse será o fim de você, Sr. Sherlock Holmes. E quando eu o tiver derrotado e arruinado, poderei me aposentar em paz. Eu gostaria de me aposentar, o crime já não me diverte. Eu gostaria de dedicar meus anos restantes para a ciência abstrata”. O lado sombrio e nonsense de Professor Moriarty, um dos grandes inimigos de Sherlock Holmes, é a inspiração para o nome do duo Moriaty. “Percebemos que nossa música era pesada e sombria liricamente… essa combinação de escuridão e intelecto gritava Moriarty – além disso, soa muito bem!” diz Jordan West, vocalista e guitarrista da dupla, que também conta com Matthew Partridge na bateria, vocais e “ruivice”, segundo a página deles no Facebook.

A energia bruta da dupla tem atraído a atenção de grandes festivais, organizadores de shows e, claro, muitos fãs. “Se eu fosse de uma banda, que fosse o Moriaty”, disse James Santer, da BBC. Já o resenha da Revista 247 para o disco “The Devil’s Child”, de 2014, diz que a dupla “não está aqui para agradar estereótipos. A dupla está claramente se divertindo, desprovida de agenda e pura de propósito. Bravo!”

O Moriaty acabou de lançar seu novo single, “Bones” e já planeja outros singles, um EP, disco ao vivo e documentário ainda em 2015. Conversei com Jordan sobre a carreira da dupla, suas inspirações e como o Professor Moriarty entra no som do Moriaty:

– Como a banda começou?

Fomos juntos a um festival na Escócia alguns anos atrás. Nos conhecíamos de algumas bandas em que tocamos e apenas decidimos fazer barulho… antes que pudéssemos perceber, as coisas já estavam começando a decolar.

– O nome da banda veio do Professor Moriarty, um personagem das histórias de Sherlock Holmes. Como o personagem e o universo de Holmes influenciou vocês?

Eu amo Sherlock, acho que Moriarty é o perfeito inimigo dele. Quando começamos a escrever música, percebemos que era pesada e sombria liricamente. Eu gosto de escrever sobre coisas que acho interessantes, como serial killers, teoria das cordas, literatura… então essa combinação de escuridão e intelecto gritava Moriarty – além disso, soa muito bem!

– Quais são suas maiores influências musicais?

Blues, todos de Son House a Chuck Berry. Rage Against the Machine. Muse. Black Sabbath. Supergrass. Oasis. Led Zeppelin. Hendrix. Johnny Cash. Dylan… Esse tipo de coisa…

544766_301870159907485_202544997_n

– Vocês fazem um som alto e sujo. Acham que esse tipo de música está em falta hoje em dia?

Acho que está voltando. A energia que toda a indústria musical está colocando no Royal Blood atualmente prova isso.

– O que você acha das músicas que estão sendo lançadas hoje em dia?

A música de hoje é ótima. Há uma infinidade de músicos criando coisas incríveis por todo o mundo. A internet fez do mundo inteiro uma loja de discos e tem muita coisa por aí. As paradas pop não são um indicativo do que está rolando, e pessoas estão ganhando dinheiro com música sem terem um “contrato”. É uma nova era.

– Vocês são um power duo. Porque o baixista é tão “desnecessário” no mundo do rock hoje em dia?

O baixo sempre tem seu espaço. O motivo de tantas duplas de rock estarem começando é que é mais fácil. Todo mundo está sempre ocupado… Bandas com duas pessoas precisam de menos equipamento, menos organização, têm mais liberdade e ganham mais dinheiro – faz sentido!

– Chris Wolstenholme, do Muse, é seu baixista “não-oficial”. Ele dá apenas uma ajuda ou você pretendem incorporá-lo de vez no Moriaty?

Na verdade ele apenas gostou das faixas que pariticipou. Ele se ofereceu pra ajudar e nós agradecemos muito por isso. Sempre vai haver um lugar no Moriaty se ele quiser, mas ele nos ajudou porque é um cara bacana, um amigo e um fã da banda. Ele na verdade não é nosso baixista “não oficial” ou algo assim, ele é do Muse!

– Você disse que já trabalharam com vários rappers, cantores, poetas, baixistas… Pode me contar um pouco dessas colaborações?

Fizemos algumas coisas com a banda The Scribes. Eles são um grupo incrível de hip hop do sudoeste da Inglaterra. Estamos planejando gravar um EP com eles este ano, o que vai ser bem legal. Nosso disco tem participações de Kelly Naish e Mark Tam cantando e em algumas falas. Esperamos fazer muito mais no futuro.

– Você pode me contar um pouco mais sobre sua discografia? Adorei o que ouvi no EP “Esperanza” e em “The Devil’s Child”.

Nós também lançamos alguns outros EP’s, “The Lord Blackwood EP” foi o nosso primeiro e “Never Too Heavy” o segundo, além de dois singles, “Mindsweeper” e, claro, “Bones”. Também temos o “Jealous MF” 7”, uma música que saiu apenas em vinil que gravamos com Chris Wolstenholme.

– A cultura do álbum está morta? As pessoas preferem ouvir apenas os singles atualmente?

Os discos não estão mortos nem nunca morrerão. Mas têm diminuído e continuam diminuindo. Spotify, iTunes, Youtube e afins estão tirando a necessidade de se ouvir a obra inteira para ter o que se quer. Então as crianças idiotas de hoje que escutam música idiota e repetitiva sobre sexo sem pratos podem baixar ou ouvir por streaming músicas soltas. Agora, as crianças que que realmente gostam de música vão comprar o disco de suas bandas preferidas e ouví-lo repetidamente. Sempre o farão… são apenas menos pessoas, agora!

– O site da banda diz que vocês “se inspiram na história, não em babacas com óculos falsos”. Esse cutucão é pra quem?

Sim, para as pessoas de Londres aproximadamente 5 anos atrás… hoje em dia eles têm skates, barbas e tatuagens também!

10354932_712924565468707_7297155263504093822_n

– Vocês acabaram de lançar o single “Bones”. Quais são os próximos passos do Moriaty?

O próximo single está quase sendo finalizado e depois teremos mais alguns singles, um EP com The Scribes, algo ao vivo e outro documentário.

– Que bandas chamaram a sua atenção atualmente?

Patrons!

– Podemos esperar a visita do Moriaty no Brasil em breve?

Nós adoraríamos, nunca se sabe o que vai acontecer a seguir…

Ouça o EP “Esperanza” completo aqui:

Anúncios

Diretamente de Austin, The Dirty Knees investe em blues sujo com influências de punk, rockabilly e country

20794_10153174298419437_7945328213862600424_n

Vinda diretamente de Austin, Texas, a Dirty Knees é um trio que toca blues misturado com electro-pop, punk e rockabilly. Capitaneada por Lisa Dahl e contando com Gabe Rhodes e Christopher Durst tocando diversos instrumentos, a banda está preparando as músicas de seu primeiro disco a ser lançado ainda em 2015.

Conversei com Lisa sobre as influências do Dirty Knees e o que vem por aí:

Como a banda começou?

Eu já estava tentando começar uma banda nova a algum tempo, que juntasse tanto blues quanto punk. Mas a ideia não se concretizaria até uma bela noite chuvosa, num quarto de hotel (Não é em lugares assim que começam todas as boas histórias?). Eu vinha acompanhando o Christopher Durst em uma de suas coberturas fotográficas quando o show que ele havia sido contratato para cobrir naquela noite foi cancelado. Por sorte, eu havia trazido minha guitarra comigo, e não muito tempo depois já começamos a rascunhar a base de algumas músicas novas. Depois de alguns meses trabalhando como dupla, percebemos que um terceiro membro com certeza traria uma nova cara ao nosso som. E temos agredecido ao universo todos os dias desde que encontramos essa terceira parte da banda, Gabriel Rhodes.

Você pode nos apresentar os membros da banda?

Gabriel Rhodes é um multi-instrumentista, que já vem se apresentando, gravando e produzindo desde a adolescência. Ele já produziu e gravou para artistas como Willie Nelson, Billy Joe Shaver, Kimmie Rhodes, Waylon Jannings, Ray Price, Emmylou Harris, James Burton, Jimmy LaFave e Calvin Russell, entre outros. Ele já participou também de outros álbuns distribuídos em mais de 17 países nos últimos 10 anos. Também participou da produção de “Beautiful Dreamer:The Songs of Stephen Foster”, que ganhou o Grammy de Melhor Álbum de Folk Tradicional em 2005. Christopher Durst tambem é um multi-instrumentista que comecou sua carreira musical muito cedo. Sua carreira começou como proprietário de uma companhia de empresariado musical, estúdio de gravação e produção musical em Los Angeles, Califórnia. Na época gravou dois álbuns grunge, mas com o tempo acabou mudando o rumo e se tornou um fotógrafo musical mundialmente renomado. Eu, Lisa Dahl, a “front woman”, comecei escrevendo músicas e me apresentando aos cinco anos, cantando, tocando violino, guitarra e piano. Antes de assumir a frente do The Dirty Knees, fiz parte de outras bandas, fui dona de uma companhia musical, co-produtora de clipes e trabalhei na indústria de filmes independentes.

Christopher-Durst-of-The-Dirty-Knees-American-Slander-640x640

Quais são suas maiores influências musicais?

Pessoalmente, eu me inspiro bastante em artistas como Joan Jett, Blondie, Allison Mosshart e Marc Bolin. Algumas de nossas maiores influências são The Cramps, The Stooges, Son House, Elmore James, R.L. Burnside, Etta James, Ritchie Valens, Social Distortion, Jack White, Seasick Steve, ZZ Ward, The Sex Pistols, Ramones, David Bowie, Beck, e Willie Nelson. Algumas pessoas podem se surpreender ao descobrir que também sou apaixonada por música clássica, como Beethoven e Tchaikovsky, e a antiga música gospel americana. Gabriel também cita entre suas influências Django Reinhardt,John Lennon, Mozart, Lightning Hopkins, Astor Piazola e Keith Richards.

A cultura do “álbum” está morta? Hoje em dia as pessoas só escutam os singles?

Jack White fez um trabalho brilhante com gravações e manobras de marketing para popularizar novamente o vinil, o que ajudou essa cultura a voltar à vida. Eu acredito que os singles desafiaram as bandas a produzirem discos em que todas as músicas tenham destaque, sem músicas somente para “preencher espaço”. Também acredito que hoje em dia vivemos em um dos melhores momentos como consumidores de música, por conta dos singles. Temos a incrível oportunidade de sermos expostos a todo tipo de música como nunca fomos antes, graças ao alcance da internet e a rapidez de acesso à música online que os singles permitem. É como ir a um buffet e poder experimentar todos os sabores e depois voltar para quantas repetições quisermos.

Gabriel-Rhodes-of-The-Dirty-Knees-American-Slander-640x640

Como é o método de trabalho de vocês? Como encontram inspirações para compor?

Gabe, Christopher e eu achamos algo mágico quando trabalhamos juntos quase instantaneamente. Gabe foi criado na indústria musical, o que torna o trabalho colaborativo com outros músicos algo extremamente natural pra ele. Já eu venho de uma família de escritores, e na epoca da faculdade me formei em composição criativa, sendo assim, o ato de escrever é algo muito presente no meu dia a dia. O Christopher é otimos em nos manter focados em nosso objetivo musical, enquanto também nos desafia a ser cada vez mais criativos e nos arriscar fora de nossa zona de conforto musical, vocal e liricamente nas composições.

Vocês estão novos singles. Poderiam nos contar um pouco mais sobre eles?

Cada um de nós possui um backgroud musical distinto, o que pode ser notado em nossas músicas. Em essência, todos são influencias dos blues, rock, eletrônico e punk. “Forgiveness” é uma música mais suave, e possui um quê de chamado de sereia, com slides de guitarra, batidas ritimadas e vocais em coro. “Back of a Magazine” já é um rock mais explosivo. A música começa com um vocal doce que se alonga sobre uma entrada de guitarra que lembra “Like a Bad Girl Should” do The Cramps e se constrói dentre de seu próprio caos de batidas de bateria cardíacas, guitarras sujas e alucinantes e gritos primais.

11015001_10153075180559437_682962867835183311_n

O que podemos esperar do projeto The Dirty Knees?

Esperem que iremos sempre surpreendê-los com nossa loucura.

Vocês já planejam um disco?

Sim. Estamos planejando um álbum completo ainda para 2015.

Você trabalhou com diversas bandas antes do Dirty Knees. Como essas bandas ajudaram você a se desenvolver musicalmente?

A banda em que estive antes foi uma experiência maravilhosa. Eu tenho estado no palco como música de tempos em tempos minha vida toda, e minha última banda me proporcionou a experiência de tocar no país todo, o que me levou a crescer ainda mais como artista. Também foi durante esse tempo que aprendi a maior parte do que sei sobre a indústria da música.

Como você se sente em relação à indústria musical de hoje em dia?

A indústria musical mudou muito ao longo do tempo… o que é bom e ruim ao mesmo tempo. Músicos têm oportunidades melhores de se auto-promover hoje em dia. Por outro lado, toda essa capacidade de auto-suficiência no mercado o deixa hipersaturado de bandas, o que torna cada vez mais difícil para as bandas serem vistas no meio dessa multidão.

Vocês já estão pensando em clipes?

Sim, com certeza! Na verdade estamos sempre discutindo ideias para clipes para cada música depois que escrevemos ou gravamos. Mas algumas de nossas ideias poderiam acabar nos banindo da televisão e do YouTube…

10940562_10153016798529437_5584260117531558072_n

Quais são os próximos passos da Dirty Knees?

Acabamos de assinar contrato com uma grande companhia para compor músicas para TV, filmes e outros artistas, então fiquem de ouvidos atentos ao som de Dirty Knees por aí.

Que bandas e artistas novos chamaram a atenção de vocês recentemente?

Andy Macintyre! Ele é um músico local de Austin, no Texas. Ele é sem sombra de dúvidas um dos artistas solo mais talentosos que ouço em muito tempo.

Ouça “Forgiveness” aqui. “Back Of A Magazine” será lançada no dia 14/04, fique de olho no soundcloud dos caras!

Navegação de Posts

%d blogueiros gostam disto: